domingo, 6 de setembro de 2015

Os riscos que trazia Vieira quando veio para o Benfica.


O presidente em exercício, LFV, e alguns benfiquistas acenam com o fantasma de Vale e Azevedo quando se referem a Rangel ou a qualquer outro candidato a presidente. 
Mas pergunto: traz mais riscos eleger Rangel do que quando se elegeu Vieira pela primeira vez?
Comecemos pelo passado recente de Vieira, antes do Benfica. O Alverca.
"LFV iniciou o seu trajecto no Mundo do Futebol no Alverca FC, como presidente, conseguindo através de boas relações com os três grandes (dos quais era sócio), foi especialmente através do Benfica, com o projecto clube satélite que catapultou o Alverca FC para a 1ª divisão
No ano em que o Alverca sobe começaram as relações desportivas com o FC Porto, traduzidas na recepção de vários atletas a título de empréstimo (Ricardo Carvalho, entre outros), intermediação na transferência de Ovchinnikov para o FC Porto e as negociações de Cajú e Duda.

Em Maio de 2001 dá-se a misteriosa transferência de Mantorras para o Benfica, por 10 milhões de euros, verba que associada aos patrocínios e receitas de transmissões televisivas seria mais que suficiente para o Alverca se manter largos anos no futebol, cenário que não veio a acontecer, já que o Alverca cessou o seu futebol profissional em Maio de 2005.

O Alverca desce à 2ª divisão de honra e em Maio de 2001 LFV deixa os destinos do Alverca FC entregues ao seu vice-presidente Manuel Bugarim, seguindo Mantorras para a Luz passando a fazer parte da vida desportiva do Benfica, assumindo então na altura funções de director desportivo do então presidente Manuel Vilarinho. No final dessa época do seu primeiro ano como director desportivo saem directamente para o FC Porto, Maniche e Jankauskas, ao passo que via Varzim transferem-se Jorge Ribeiro, Pepa e Rui Baião que na altura eram enormes promessas do futebol português.
" - Tirado daqui.
Dizia Manuel Bugarim em 2001, sucessor de Vieira no Alverca quando este último era ainda accionista da SAD: 
"Um dia, quando se lembrarem do Luís Filipe Vieira em Alverca, todos vão recordar-se do muito trabalho que fez. Saiu, mas é um grande amigo do Alverca. Antes de assumir os cargos de responsabilidade no clube ribatejano já era benfiquista, mas mantém a sua ligação a este clube como sócio e accionista da SAD. É gratificante para o Alverca ter trabalhado com pessoas como Jesualdo Ferreira, que é um grande profissional, e Luís Filipe Vieira, um grande benfiquista", disse Manuel Bugarim.
António Fernandes, presidente demissionário do Alverca em 2009 e que estava em funções desde 2002, disse em entrevista, da qual retiro alguns excertos:
"Esteve mais de vinte anos ligado ao Futebol Clube de Alverca (FCA). Depois da saída de Luís Filipe Vieira, assumiu a direcção do clube ribatejano em 2002, com uma dívida de dois milhões e quinhentos mil euros. Sete anos depois, António Manuel Fernandes demite-se e deixa nos cofres do Alverca 726 mil euros. Em entrevista a O MIRANTE fala das razões que o levaram a pedir a demissão de presidente da direcção, da situação financeira e do futuro do clube e de Luís Filipe Vieira.
-----
Tirei o clube de uma falência anunciada. Com a falência da Sociedade Anónima Desportiva (SAD), deixou de se poder praticar futebol.
-----
O que esteve na origem da decisão de pedir a demissão?
Duas situações. A não assinatura de uma acta, por parte do presidente da assembleia-geral, Jorge Barroso, num negócio de 500 mil euros, referente a uma parcela de três mil metros que temos para vender. O negócio foi aprovado na última assembleia-geral de 8 de Junho, com 34 votos a favor e um contra. Chegados a Julho, o presidente da assembleia-geral ainda não tinha assinado.
Já tinham comprador?
Já. À Imocochão. (Luís Filipe Vieira é o sócio maioritário).
-----
Qual é a situação financeira do clube?
Herdei o Alverca endividado em mais de 500 mil contos (dois milhões e meio de euros) fora os juros. Deixo o clube com dinheiro nos cofres. O Alverca tem, como qualquer empresa, dívidas correntes. Talvez 125 mil euros. Mas não tem nenhuma acção de penhora nem nenhuma acção em tribunal. 
-----
Aceitou o convite de Luís Filipe Vieira (LFV) para lhe suceder no cargo de presidente. Sabia da situação do Alverca?
Como agi de boa fé, na, altura não tive o cuidado de ir ver a situação. Só me apercebi quando, logo a seguir a SAD entra no descalabro que é público.
Luís Filipe Vieira é responsável pela situação do Alverca?
Se fosse o presidente quando foi deliberado disputar as ligas profissionais, não tinha aceite de maneira nenhuma.
-----
A saída do LFV foi premeditada, sabendo o que ia acontecer no Alverca?
(Silêncio) Só lhe posso dizer o que ele me disse na altura. Que era incompatível as responsabilidades que ia desempenhar no Benfica com a manutenção da presidência quer do FCA quer do Alverca Futebol SAD. E eu acreditei nisso.
E hoje acredita?
Não. De maneira nenhuma. Nós devíamos ter uma secção de ginástica com trampolins e não temos. O Alverca serviu de trampolim de lançamento de determinada pessoa.
Luís Filipe Vieira?
Evidentemente.
Noto uma certa mágoa nas suas palavras…
Se perdesse 200 mil euros ficava com um sorriso nos lábios?
Está a referir-se ao quê?
Ao meu dinheiro que deixei no Alverca para que o clube não caísse no fosso em que estava. Se saísse tinha caído. Não tinha hipóteses. Era outro Vilafranquense."
 
 
 
"No sábado, 17 de Setembro, o FC Alverca distinguiu os seus sócios mais antigos e convidou os antigos presidentes a estarem presentes. António Fernandes, Manuel Ribeiro, João Coelho e Ramiro Gonçalves ocuparam os bancos da frente. Carlos Espanhol e Hélder Vieira informaram que não podiam aparecer por motivos profissionais. Albertino Pires compareceu no jantar de convívio. Luís Filipe Vieira, actual presidente do Sport Lisboa e Benfica, foi o único que não respondeu ao convite.
-----
A maioria dos sócios e adeptos do clube recorda a passagem pela primeira liga como o feito mais importante da história do Alverca. Uma época dourada onde o dinheiro parecia não ser problema e os sócios podiam ver jogar no relvado jogadores como Deco, Maniche, Yannick, Ricardo Carvalho, Kulkov, Ovchinnikov, Hugo Leal, Manuel Cardoso, Mantorras, Marco Caneira, Nuno Assis, Chiquinho Conde, Akwá ou Paulo Santos. Muitos deles emprestados por outros clubes nacionais e outros adquiridos por uma Sociedade Anónima Desportiva (SAD) que hoje acumula dívidas próximas dos dois milhões de euros.  
-----
As contas do clube estão equilibradas. Devemos perto de 70 mil euros. As dívidas maiores eram da SAD, não do clube. A SAD está completamente fora da situação geral do Alverca. Está parada, não está insolvente mas está parada”, refere Fernando Orge, presidente da direcção do clube ao nosso jornal.
-----
Para Rui Gomes, um dos sócios do Alverca, o facto de Filipe Vieira ter esquecido o clube “é uma prova de que apenas o usou para promoção pessoal”. Outro sócio, Luís Marques, lamenta a atitude do ex-dirigente. “Tenho alguma mágoa porque quando o clube teve dificuldades o Luís Filipe Vieira poderia ter aparecido mais e ajudado o clube e não o fez. Foi um presidente que marcou o clube e numa altura difícil devia ter-se aproximado mais e ser solidário”, defende.
Para António Fernandes, antigo presidente do clube, “as acções ficam com quem as pratica” e confessa que a história acabará por julgar o actual presidente dos encarnados. “Será julgado pelos sócios e pela sociedade. Muita gente esquece-se que haverá um futuro onde se poderá pagar todo o mal que se fez”, afirmou à margem da sessão solene."
A situação do Alverca era boa, segundo Vieira e o seu homem Manuel Bugarim.
A verdade era outra, conforme os que se seguiram e que a queda abrupta do Alverca comprovou.
Luis Filipe Vieira trazia com ele o historial de amizade com Pinto da Costa, negócios com o FC Porto com alguns deles a servirem de lança contra o Benfica, sócio do FCP e do SCP.
Festejos de golos do Porto no camarote presidencial das Antas que tanta gente testemunhou. 
A esse peso acrescentou a amizade com Joaquim Oliveira, Fernando Gomes e António Salvador, conhecidos que são como grandes amigos do Benfica.

Pergunto eu, na minha qualidade de adepto e sócio do clube:

Ainda têm a lata de vir falar nos riscos de eleger Rangel ou qualquer outro que seja?
 
 
Fonte da Notícia: Geração Benfica

domingo, 5 de julho de 2015

Trafulhíce "à la" Portuguesa

Foi recentemente revelado um relatório americano sobre Portugal, que se tem mantido em segredo até à data. Nesse mesmo relatório Portugal é apontado como “O país que compra brinquedos caros e inúteis” por “orgulho”. Esse relatório tinha sido divulgado por um conhecido jornal na sua versão online, mas foi recentemente apagado (vamos lá saber porquê). E foi-nos agora revelado pelo famoso site Wikileaks.
SABIA QUE O MINISTÉRIO DA DEFESA ESTÁ ISENTO DE CONCURSOS PÚBLICOS? LIVRE PARA FAZER AS SUAS COMPRAS MILIONÁRIAS A QUEM DER MAIS LUVAS? E NÃO A QUEM FAZ O PREÇO MAIS JUSTO? TUDO PARA SALVAGUARDAR O SECRETISMO DAS OPERAÇÕES DO MINISTÉRIO?
O RESULTADO É O QUE SE TEM VISTO. AS COMPRAS MAIS ESCANDALOSAS, MENOS TRANSPARENTE E MAIS MEGALÓMANAS DO ESTADO, TÊM TIDO ORIGEM NESTE MINISTÉRIO. O CASO DOS SUBMARINOS, DOS PANDUR, DOS TORPEDOS, DOS HELICÓPTEROS, ETC ETC ETC, A LISTA É INTERMINÁVEL, MUITOS DELES EM INVESTIGAÇÃO. OUTROS JÁ PROVADOS NA FONTE ESTRANGEIRA QUE HOUVE LUVAS, MAS EM PORTUGAL NADA SE FAZ.
MAIS UMA VEZ O OPORTUNISMO DITA A LEI QUE POR DECISÃO DELES, OS BENEFICIA A ELES E LESA O INTERESSE NACIONAL. O CONCURSO PÚBLICO É UMA DAS REGRAS BÁSICAS, PARA TRAVAR ALGUMA CORRUPÇÃO MAS OS QUE NOS DESGOVERNAM NÃO GOSTAM DESSAS REGRAS?

GASTAR DINHEIRO IMPRUDENTEMENTE

O IMPORTANTE É FAZER MUITAS COMPRAS E DE MUITOS MILHÕES MESMO QUE INÚTEIS, SERVIRÃO ESSAS COMPRAS PARA FAZER ENTRAR DINHEIRO EM PARTIDOS E EM CONTAS PRIVADAS DOS ENVOLVIDO? COMPRAM INUTILIDADES, SUCATA, USADOS, AVARIADOS, E ATÉ BRINQUEDOS PARA OS QUAIS NÃO POSSUÍMOS DINHEIRO PARA O COMBUSTÍVEL, PARA A MANUTENÇÃO NEM RECURSOS HUMANOS TÉCNICOS.
EM PORTUGAL POUCOS SABEM, MAS QUEM NEGOCEIA COM OS NOSSOS (DES)GOVERNANTES, SABE ALGUMAS COISAS QUE TODOS DEVERÍAMOS SABER.
O WIKILEAKS REVELOU UM RELATÓRIO CONFIDENCIAL QUE DESMASCARA ALGUMAS TRAMÓIAS DO MINISTÉRIO DA DEFESA. RETIRANDO ALGUMAS IMPRECISÕES, FICAM ALGUMAS REVELAÇÕES.

WASHINGTON ARRASA NEGÓCIOS DO MINISTÉRIO DA DEFESA

RELATÓRIO CONFIDENCIAL:
O EMBAIXADOR AMERICANO EM LISBOA ESCREVEU UMA APRECIAÇÃO IMPLACÁVEL SOBRE OS SUBMARINOS, AS FRAGATAS E OS TANQUES EM QUE PORTUGAL GASTOU MILHÕES. O PEQUENO PARÁGRAFO, A MEIO DO TELEGRAMA DE SEIS PÁGINAS, RESUME A COISA ASSIM:
“NO QUE DIZ RESPEITO A CONTRATOS DE COMPRAS MILITARES, AS VONTADES E AÇÕES DO MINISTÉRIO DA DEFESA PARECEM SER GUIADAS PELA PRESSÃO DOS SEUS PARES E PELO DESEJO DE TER BRINQUEDOS CAROS. O MINISTÉRIO COMPRA ARMAMENTO POR UMA QUESTÃO DE ORGULHO, NÃO IMPORTA SE É ÚTIL OU NÃO. OS EXEMPLOS MAIS ÓBVIOS SÃO OS SEUS DOIS SUBMARINOS E 39 CAÇAS DE COMBATE (APENAS 12 EM CONDIÇÕES DE VOAR).”
O TOM NÃO VARIA MUITO NOS OUTROS PARÁGRAFOS. O QUE VARIA É O NÍVEL DO DETALHE. CRUEL E DESPOJADO, MAS TAMBÉM COMPROMETIDO COM INTERESSES DIRECTOS AMERICANOS E CONTENDO ERROS FACTUAIS, O TELEGRAMA ENVIADO EM 2009 PARA WASHINGTON PELO ENTÃO EMBAIXADOR DOS EUA EM LISBOA, THOMAS STEPHENSON, NÃO DEVERIA TER CHEGADO ÀS MÃOS DE UM ESTRANGEIRO. TEM A CLASSIFICAÇÃO DE NOFORN, “NO FOREIGNERS”. TALVEZ POR ISSO SEJA TÃO DECLARADAMENTE DEPRECIATIVO PARA PORTUGAL, PARA AS ALTAS CHEFIAS MILITARES E PARA OS ÚLTIMOS GOVERNOS QUE TÊM ESTADO NO PODER.
O TELEGRAMA (EM BOA VERDADE, UM RELATÓRIO) ANALISA O QUE SE PASSA DENTRO DO MINISTÉRIO, TENTANDO EXPLICAR PORQUE É QUE AS COISAS, NA PERSPECTIVA AMERICANA, CORREM TÃO MAL. O TÍTULO DIZ TUDO: O QUE HÁ DE ERRADO NO MINISTÉRIO DA DEFESA PORTUGUÊS?
EMBAIXADOR DOS EUA EM LISBOA DE NOVEMBRO DE 2007 ATÉ 2009, DEPOIS DE UMA LONGA CARREIRA COMO EMPRESÁRIO EM SILICON VALLEY, STEPHENSON ESCREVE:
“PORTUGAL SOFRE DE UM COMPLEXO DE INFERIORIDADE E DA PERCEPÇÃO DE SER ECONÓMICA, POLÍTICA E MILITARMENTE MAIS FRACO DO QUE OS SEUS ALIADOS.”
NA TESE AMERICANA, O GOSTO PELOS “BRINQUEDOS CAROS” TEM A VER COM ISSO. STEPHENSON APONTA O CASO DOS SUBMARINOS QUE CUSTARAMMIL MILHÕES DE EUROS E QUE, SEGUNDO ELE,NÃO SERIAM PRECISOS: “COM 800 QUILÓMETROS DE COSTA E DOIS ARQUIPÉLAGOS DISTANTES PARA DEFENDER, OS DOIS SUBMARINOS ALEMÃES COMPRADOS EM 2005 NÃO SÃO O INVESTIMENTO MAIS SENSATO. OS SUBMARINOS NÃO TÊM UMA MISSÃO FORMAL ATRIBUÍDA E FALTAM-LHES OS MEIOS PARA FAZER PATRULHAS SEM OBJECTIVO. PORTUGAL COMPROU OS SUBMARINOS MAS NÃO ENCOMENDOU SISTEMAS DE MÍSSEIS, O QUE SIGNIFICA QUE NÃO TERÃO CAPACIDADE DE ATAQUE MESMO QUE TENHAM UMA MISSÃO.”
FAZENDO ECO DA POLÉMICA DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE O ASSUNTO, O EMBAIXADOR TOMA PARTIDO MAS DEMONSTRA ALGUM DESCONHECIMENTO. COM UMA ÁREA MARÍTIMA 20 VEZES MAIOR DO QUE O SEU TERRITÓRIO TERRESTRE, HÁ MUITO QUE A DOUTRINA MILITAR PORTUGUESA PREVÊ UMA MISSÃO FORMAL PARA OS SUBMARINOS. ALÉM DISSO, ESTES ESTÃO EQUIPADOS COM TORPEDOS, MINAS E UM SISTEMA DE MÍSSEIS HARPOON (IRONICAMENTE, FABRICADOS NOS EUA).
MAS O TELEGRAMA VAI MAIS LONGE. O DINHEIRO GASTO NOS SUBMARINOS FALTA NOUTROS LADOS.“PORTUGAL TEM POUCOS NAVIOS-PATRULHA OPERACIONAIS PARA DEFESA DO LITORAL E PARA DAR CONTA DO NARCOTRÁFICO, IMIGRAÇÃO E PESCA ILEGAIS.” E AVANÇA, QUANTO À FORÇA AÉREA:“PORTUGAL TEM ALGUNS CAÇAS F-16 ANTIGOS, MAS APENAS UM C-130 EM CONDIÇÕES DE TRANSPORTAR MILITARES E EQUIPAMENTO.”
O PAÍS TEM DE FACTO UM “EXCESSO” DE CAÇAS (39, DOS QUAIS NOVE ESTÃO PARA VENDA), TODOS COMPRADOS AOS EUA MAS, AO CONTRÁRIO, POSSUI SEIS E NÃO APENAS UM C-130. O EMBAIXADOR ABORDA DEPOIS O DELICADO TEMA DAS COMPRAS, CONSIDERANDO QUE A OPÇÃO PORTUGUESA DE “COMPRAR EUROPEU”(EM DETRIMENTO DOS EQUIPAMENTOS AMERICANOS) LHE É FREQUENTEMENTE IMPOSTA PELOS SEUS PARCEIROS DA UNIÃO. REPORTANDO AO CASO DAS FRAGATAS HOLANDESAS ADQUIRIDAS EM 2006 POR DECISÃO DO ENTÃO MINISTRO DA DEFESA, LUÍS AMADO, EM DETRIMENTO DAS AMERICANAS OLIVER HAZARD PERRY, QUE HAVIAM SIDO ESCOLHIDAS POR PAULO PORTAS, STEPHENSON DIZ QUE PORTUGAL O FEZ “POR PRESSÃO DOS ESTADOS EUROPEUS”.
“O MINISTÉRIO DA DEFESA OPTOU POR GASTAR MAIS DE 300 MILHÕES DE EUROS EM FRAGATAS HOLANDESAS USADAS. AS AMERICANAS TERIAM EXIGIDO APENAS CERCA DE 100 MILHÕES DE EUROS NA SUA MODERNIZAÇÃO E APOIO LOGÍSTICO”, ESCREVE O DIPLOMATA, ACUSANDO DE FALTA DE CREDIBILIDADE O “ESTUDO” QUE SERVIU DE BASE À DECISÃO, POIS COMPARAVA “AS FRAGATAS AMERICANAS USADAS COM FRAGATAS HOLANDESAS NOVAS, SENDO QUE ESTAS TINHAM MAIS DE 15 ANOS”.
NA REALIDADE, AS PERRY TINHAM MAIS 20-25 ANOS DO QUE AS HOLANDESAS E, NUNCA FOI FEITA UMA ESTIMATIVA DO SEU CUSTO DE MODERNIZAÇÃO “POR SER UMA VERDADEIRA DOR DE CABEÇA A SUA EVENTUAL SUSTENTAÇÃO”. AS HOLANDESAS CUSTARAM 248 MILHÕES.
STEPHENSON ACRESCENTA QUE O MESMO TIPO DE SITUAÇÃO (QUE CHAMA DE “CONTABILIDADE CURIOSA”) OCORREU COM OS HELICÓPTEROS-PATRULHA, “UMA NECESSIDADE CRÍTICA” PARA PORTUGAL. MAIS UMA VEZ, OS SIKORSKY AMERICANOS FORAM PRETERIDOS EM FAVOR DOS EH-101 EUROPEUS, MAIS BARATOS, MAS APENAS PORQUE “AS PEÇAS SOBRESSELENTES E A MANUTENÇÃO NÃO FORAM INCLUÍDAS NA PROPOSTA EUROPEIA. SEMANAS DEPOIS DE ENTRAREM AO SERVIÇO, OS EH-101 FICARAM PARADOS POR FALTA DE PEÇAS. OS VELHOS PUMAS COM 20 ANOS QUE OS EH-101 DEVIAM SUBSTITUIR TIVERAM DE VOLTAR A VOAR”.
O EMBAIXADOR FOI CERTEIRO. DECIDIDOS AINDA NO TEMPO DE RUI PENA, O ÚLTIMO MINISTRO DA DEFESA DE ANTÓNIO GUTERRES, ESTES HELICÓPTEROS FORAM ADQUIRIDOS SEM UM EFECTIVO CONTRATO DE MANUTENÇÃO. JÁ O MESMO NÃO SE PODE DIZER RELATIVAMENTE À COMPRA À HOLANDA DE 36 TANQUES LEOPARD A6. “OS TANQUES SÃO BONS, MAS PORTUGAL NÃO TEM DOUTRINA OPERACIONAL, NEM CADEIA DE MANUTENÇÃO NEM PEÇAS SOBRESSALENTES. ALÉM DISSO, A AQUISIÇÃO REPRESENTOU UM AFASTAMENTO DO OBJECTIVO DECLARADO DO EXÉRCITO EM TORNAR-SE UMA FORÇA MAIS EXPEDICIONÁRIA, PROJETÁVEL E LIGEIRA”, ESCREVE.
O QUE ACONTECEU DEPOIS O EMBAIXADOR JÁ NÃO CONTA. O EXÉRCITO PORTUGUÊS ADAPTOU-SE AOS NOVOS “BRINQUEDOS” E GANHOU COMPETÊNCIAS NOVAS COMO FORÇA EXPEDICIONÁRIA. MAS TRÊS QUARTOS DOS LEOPARD ESTÃO HOJE ENCOSTADOS PORQUEFALTA O DINHEIRO PARA COMPRAR PEÇAS DE SUBSTITUIÇÃO. E OS TANQUES NUNCA SAÍRAM DO PAÍS.

LÓBI RENDEU 100 MILHÕES.

O MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLHEU O GIGANTE NORTE-AMERICANO LOCKHEED MARTIN PARA UM CONTRATO DE 100 MILHÕES DE EUROS, DEPOIS DE O GOVERNO DOS EUA TER FEITO LÓBI JUNTO DO ENTÃO MINISTRO SOCIALISTA NUNO SEVERIANO TEIXEIRA A FAVOR DO MAIOR GRUPO DE AERONÁUTICA MILITAR. COM O TÍTULO “RECENT COMMERCIAL SUCESS STORIES” (“HISTÓRIAS RECENTES DE SUCESSO COMERCIAL”), UM TELEGRAMA ENVIADO PARA WASHINGTON PELO EMBAIXADOR THOMAS STEPHENSON, 2008, RELATA QUE NO INÍCIO DE 2007 UM ADJUNTO COMERCIAL E O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MILITAR DA EMBAIXADA AMERICANA EM LISBOA ENCONTRARAM-SE COM O DIRECTOR DE UMA DAS UNIDADES DA LOCKHEED MARTIN, MICHAEL MEYER.
NO ENCONTRO, MEYER CONTOU QUE ESTAVA A TENTAR GARANTIR HÁ ANOS UM CONTRATO DE 135 MILHÕES DE DÓLARES (100 MILHÕES DE EUROS) PARA A RECONVERSÃO DOS CINCO AVIÕES P-3C ORION QUE A FORÇA AÉREA PORTUGUESA TEM PARA FAZER CONTROLO MARÍTIMO, MAS A MUDANÇA DE GOVERNO EM 2005 (DO PSD PARA O PS) “MANTEVE A PROPOSTA NUM LIMBO”. ALÉM DISSO, A LOCKHEED TINHA INFORMAÇÕES QUE UMA CONCORRENTE ESPANHOLA, A CASA EADS, “ESTAVA A FAZER TRABALHO DE BASTIDORES JUNTO DO MINISTÉRIO DA DEFESA PARA GANHAR O CONCURSO”.
UMA CARTA FOI ELABORADA EM CONJUNTO POR VÁRIOS DEPARTAMENTOS EM LISBOA E EM WASHINGTON E FOI ASSINADA POR ALFRED HOFFMAN, EMBAIXADOR QUE ANTECEDEU STEPHENSON EM LISBOA, SENDO ENVIADA AO MINISTRO A 2 DE MAIO DE 2007. QUATRO MESES DEPOIS, A 6 DE SETEMBRO, A LOCKEED GANHOU O CONTRATO.

UM PAÍS DE GENERAIS SENTADOS

HÁ UMA CULTURA NAS FORÇAS ARMADAS EM QUE QUASE SEMPRE, A MELHOR DECISÃO QUE SE PODE TOMAR É NÃO TOMAR DECISÕES, DIZEM OS AMERICANOS. ATÉ PARA UMA BANDA TOCAR É PRECISO AUTORIZAÇÃO DE TOPO.
A VISÃO DA DIPLOMACIA AMERICANA SOBRE A GESTÃO E O EXERCÍCIO DO PODER DENTRO DAS FORÇAS ARMADAS PORTUGUESAS É TUDO MENOS DIPLOMÁTICA, PELO QUE SE PODE LER NUM RELATÓRIO ASSINADO PELO EMBAIXADOR THOMAS STEPHENSON E QUE CONSTA DE UM EXTENSO TELEGRAMA JÁ CITADO NAS PÁGINAS ANTERIORES, ENVIADO A 5 DE MARÇO DE 2009 PARA WASHINGTON COM O TÍTULO “O QUE HÁ DE ERRADO COM O MINISTÉRIO DA DEFESA PORTUGUÊS?”
O DOCUMENTO INCLUI UM DIAGNÓSTICO DESASSOMBRADO SOBRE UMA ESTRUTURA “RÍGIDA” E INCAPAZ DE TOMAR DECISÕES. “A IMAGEM DE GENERAIS SENTADOS SEM FAZEREM NADA NÃO É UMA MERA ALEGORIA”. “OS MILITARES TÊM UMA CULTURA DE STATUS QUO EM QUE AS POSIÇÕES-CHAVE SÃO PREENCHIDAS POR CARREIRISTAS QUE EVITAM ENTRAR EM CONTROVÉRSIAS, EM VEZ DE SEREM PREENCHIDAS COM PENSADORES CRIATIVOS, PROMOVIDOS PELO SEU DESEMPENHO”, ESCREVE O EMBAIXADOR AMERICANO.
ESPERA O TEMPO SUFICIENTE, DIZEM-NOS OS OFICIAIS, E CHEGARÁS A CORONEL OU A GENERAL. ESTA CULTURA FOMENTA UM PENSAMENTO ADVERSO A CORRER RISCOS E UM CORPO DE OFICIAIS SUPERIORES PARA QUEM ADIAR UMA DECISÃO É QUASE SEMPRE A MELHOR DECISÃO”.
STEPHENSON EXPLICA O QUE QUER DIZER COM UM CASO: “PEDIMOS AO COMANDANTE DA ACADEMIA MILITAR PORTUGUESA SE A BANDA DA ACADEMIA PODIA ACTUAR NUMA RECEPÇÃO DA EMBAIXADA AMERICANA. O GENERAL DE DUAS ESTRELAS RESPONDEU QUEISSO TERIA DE SER APROVADO PELO CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO”.
O PROBLEMA NÃO ESTÁ NA FALTA DE RECURSOS HUMANOS. “COMO A MAIORIA DOS ALIADOS DA NATO, PORTUGAL ENCONTRA-SE ABAIXO DO PADRÃO OFICIAL QUE DETERMINA 2% DO PIB PARA O ORÇAMENTO DE DEFESA. PORTUGAL ESTÁ NOS 1,3% E GASTA ESSE DINHEIRO DE FORMA IMPRUDENTE.PORTUGAL TEM MAIS GENERAIS E ALMIRANTES POR SOLDADO DO QUE QUASE TODAS AS OUTRAS FORÇAS ARMADAS MODERNAS: 1 PARA CADA 260 SOLDADOS. EM COMPARAÇÃO, OS ESTADOS UNIDOS TÊM UM RÁCIO DE 1 PARA CADA 871 SOLDADOS”. MAIS, EXISTEM AINDA “170 GENERAIS ADICIONAIS QUE RECEBEM O ORDENADO POR INTEIRO ENQUANTO SE MANTÊM INACTIVOS NA RESERVA”.

QUALQUER UM PODE SER UM OBSTÁCULO

“UM COROLÁRIO DA REGRA DE QUE NINGUÉM TOMA DECISÕES DE COMANDO”, CONTINUA O EMBAIXADOR, “É QUE QUALQUER PESSOA PODE BLOQUEÁ-LAS. ULTRAPASSAR ESTES OBSTÁCULOS EXIGIRIA QUE UM OFICIAL VIESSE A PÚBLICO DESAFIAR A OPOSIÇÃO INTERNA, NUM ACTO RARAMENTE VALORIZADO”.
O CENÁRIO DE BLOQUEIO INTERNO É AGRAVADO PELA SEGREGAÇÃO QUE EXISTE ENTRE OS TRÊS RAMOS DAS FORÇAS ARMADAS E O ESTADO-MAIOR-GENERAL. O TELEGRAMA REFERE-SE AOS RAMOS (EXÉRCITO, MARINHA E FORÇA AÉREA) COMO “FEUDOS”. “O CHEFE DO ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS NÃO TEM ORÇAMENTO NEM AUTORIDADE SOBRE OS CHEFES DOS RAMOS, QUEREGULARMENTE IGNORAM AS ORDENS DELE”.
“A NECESSIDADE DE CONSENSO NA ESTRUTURA MILITAR”, DIZ STEPHENSON, “INVIABILIZA MUITAS VEZES OS PLANOS DO GOVERNO”, E DÁ UM EXEMPLO: “NAS REUNIÕES DA COMISSÃO BILATERAL LUSO-AMERICANA, ELEMENTOS DO MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E DO MINISTÉRIO DA DEFESA TÊM IMPLORADO PARA QUE COOPEREMOS EM PROGRAMAS DE FORMAÇÃO MILITAR NA ÁFRICA LUSÓFONA. NÓS CONCORDÁMOS, MAS SÓ UM DOS 16 PROJECTOS DE COOPERAÇÃO TRILATERAL PROPOSTOS POR NÓS, A PEDIDO DO GOVERNO PORTUGUÊS, TEVE A PARTICIPAÇÃO DE PORTUGAL (UM ÚNICO SARGENTO ASSOCIADO À FORMAÇÃO DO EXÉRCITO AMERICANO SOBRE DESMINAGEM NA GUINÉ-BISSAU)”.
SEGUNDO O TELEGRAMA, HÁ FRANJAS NO MINISTÉRIO DA DEFESA QUE TÊM UM SENTIMENTO DE POSSE EM RELAÇÃO À ÁFRICA LUSÓFONA E NÃO QUEREM O ENVOLVIMENTO DE OUTROS PAÍSES EM PROGRAMAS MILITARES COM AS EX-COLÓNIAS.

DEVEMOS FAZER O TRABALHO INTERNO DOS PORTUGUESES

A PAR DA RADIOGRAFIA NEGATIVA SOBRE AS FORÇAS ARMADAS, O TELEGRAMA ESTABELECE LINHAS ORIENTADORAS DE COMO A DIPLOMACIA NORTE-AMERICANA DEVE ABORDAR O MINISTÉRIO DA DEFESA, E TAMBÉM O GOVERNO PORTUGUÊS EM GERAL. O PRINCÍPIO BÁSICO, PARA O EMBAIXADOR, PASSA POR INCENTIVAR LISBOA SEMPRE QUE POSSÍVEL. “NUNCA DEVERÍAMOS PERDER UMA OPORTUNIDADE PARA ENCORAJAR O GOVERNO PORTUGUÊS, PORQUE O GOVERNO PORTUGUÊS NUNCA PERDERÁ UMA OPORTUNIDADE DE PROCRASTINAR (ADIAR)”.
PARA ISSO, STEPHENSON ACREDITA NUMA TÁCTICA DE INFILTRAÇÃO NAS ESTRUTURAS INTERNAS DO PODER: “DEVEMOS ENVOLVER-MO-NOS CEDO E FREQUENTEMENTE E ESTARMOS PRONTOS PARA FAZERMOS AS CONSULTAS INTERNAS POR ELES DENTRO DO MINISTÉRIO DA DEFESA”.
 
Fonte da Notícia

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

FC Porto o verdadeiro clube fascista

Continuo a desmistificar o “mito Salazar”, que serve de desculpa para justificar o sucesso ilegítimo do FC Porto, através de um sistema corrupto entranhado no seio do futebol Português. As vitórias são conquistadas desonestamente de forma vil e corrupta, mas para as hostes portistas: “os meios justificam os fins”.
Na fotografia, temos os jogadores do FC Porto a mostrarem o seu tributo a Salazar e à sua ideologia fascista num desfile, Não há conhecimento de desfiles dos jogadores do Benfica a fazerem a dita saudação, sim porque esta foto não me parece ter sido tirada num campo de futebol. E as fotografias de saudações a Salazar com jogadores do Benfica, além de não serem muitas, são tiradas em campos de futebol. Esta aqui parece ter sido tirada num desfile, tributo, homenagem.
Estou farto da imbecilidade mental que tenho ouvido por aí nos últimos tempos. É uma coisa que nasce das tentativas persistentes de tentar destruir o maior clube de Portugal: O Benfica.
E qual é a mentira desbocada? O dizer que o Benfica só conseguiu o que conseguiu por ser um clube conotado com o antigo regime ou protegido pelo mesmo.
FC Porto, Salazar e o antigo regime:
• O Estádio das Antas, construído com fortíssima ajuda do regime, e financiado por gente a ele ligada, foi inaugurado num dia 28 de Maio (de 1952 pelo General Craveiro Lopes,) data em que Gomes da Costa (Décimo presidente da República Portuguesa e o segundo da Ditadura Nacional) havia partido do norte em direcção a Lisboa para instalar a ditadura em Portugal, isto 26 anos antes. Curiosamente, o Benfica estragou a festa e venceu por…2-8 !! E já agora, o antigo Estádio da Luz foi inaugurado no dia 1 de Dezembro (data da Restauração da Independência) e a 5 de Outubro (Implantação da República) foi inaugurado o 3º anel.
• No início dos anos quarenta, a tão apelidada época dourada de Salazar, o FCP beneficia da ajuda dos seus influentes homens do poder para, através de dois cirúrgicos alargamentos, evitar cair para a segunda divisão, pois tinham ficado classificados em terceiro lugar no seu campeonato regional, o que naquela altura significava não ter acesso à fase final do campeonato nacional, pois só lá iam... os dois primeiros. Bestial.
• 13 de Março de 1928, é uma data que assinala a estreia do aproveitamento institucional de um clube desportivo e consequentemente da cobertura e protecção que lhe foram dadas pelo aparelho político que iria desembocar no estado novo. Urgel Horta - 31 anos de idade (conhecido PIDE, responsável por muita tortura e por muita gente desaparecida; Urgel Horta foi do piores personagens que este país já conheceu. Foi o que se denomina por um Facho reaccionário), sendo presidente do FCP e tendo feito amizades, com alguns dos militares que implantaram em Portugal, a Ditadura Nacional que estaria na origem, em 1933, do Estado Novo, consegue com uma “cunha de tamanho fascista” que o Presidente da República Óscar Carmona, Manuel Rodrigues Júnior (Ministro das Finanças) e José Alfredo Mendes de Magalhães (Ministro da Instrução Pública) assinem o Decreto-Lei que fez do FC Porto o pioneiro (e único clube durante 32 anos e seis meses) detentor do estatuto de Utilidade Pública passando a usufruir de todos os benefícios daí inerentes:
O Benfica, apenas atingiu tal distinção e proveitos a 6 de Setembro de 1960, passados... 32 anos e seis meses após a estreia portista como “Clube do Fascismo”! E não foi sozinho...
Benfica, Salazar e o antigo regime:
• Teve que deixar o campo em Benfica em 1923 para a construção de uma rua de acesso à antiga Escola do Magistério Primário que só viria a ser uma realidade em… 1992!
• Foi expropriado do seu campo das Amoreiras para construção do viaduto de acesso à auto-estrada para o Estádio Nacional, tendo então que arrendar o antigo campo do Sporting, no Campo Grande.
• Somente 50 anos depois da sua fundação conseguiu (e mesmo assim durante muitos anos a título precário) os terrenos na Luz, onde finalmente pode implantar o seu Estádio.
• O Estádio da Luz (Estádio do Sport Lisboa e Benfica apenas foi utilizado pela selecção nacional 17 anos depois da sua inauguração, em 1971, ao invés dos estádios do Sporting, FC Porto e Belenenses, que várias vezes viram neles jogar a selecção nacional. Realmente fomos um clube do regime... realmente fomos.
O antigo campo do Sporting que o Benfica viria a ocupar em 1941 (ficava no topo do Campo Grande), era então conhecido como Campo 28 de Maio, dia comemorativo da revolução que deu origem ao Estado Novo. Mas o Benfica ciente dos significados dessa data e consciente da sua história nunca assim o designou (era, simplesmente, o campo do Campo Grande) como o veio a inaugurar a… 5 de Outubro, data comemorativa da implantação da República e bem pouco do agrado do regime que então dirigia o País!
Mas há mais indícios de como o Benfica não era o clube do Salazar, e até penso que o falecido nem se importava muito com este fenómeno e até era de Belenenses.
Então aqui vai:
Em 1954/55 O Benfica, apesar de se ter sagrado campeão não foi indicado para a Taça Latina porque naquela altura os clubes eram sugeridos pelas entidades nacionais responsáveis e o Benfica, mesmo sendo campeão, foi preterido em favor do belenenses (2º classificado) "más-línguas" garantem que houve uma "mãozinha" de Salazar neste processo, pois as excelentes relações existentes entre ele próprio e alguns dos dirigentes do belenenses, não deixavam antever outro cenário. visto que é do conhecimento geral que nas décadas de 40 e 50, e no início de 60, as direcções sportinguistas eram constituídas por gente da Legião Nacional e da UN - Góis Mota, Maia Loureiro entre outros.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Jardel: «Médico do FC Porto sabia que consumia cocaína» e a IMPUNIDADE CONTINUA

Jardel abriu o jogo em entrevista ao "lancenet"

Mário Jardel abriu o jogo e falou sobre os tempos de futebolista, especialmente numa altura em que envergava a camisola do FC Porto e ao mesmo tempo... consumia cocaína. O futebolista brasileiro, com um
grande passado em Portugal, assumiu que a primeira vez que se rendeu à droga "foi em Fortaleza em 1998", num churrasco, numa altura em que alinhava pelo FC Porto. "Super Mário" diz que a prática era conhecida pelo clube e conta como se escapava aos controlos antidoping.

"Só consumia nas férias. O médico e o fisioterapeuta da equipa sabiam porque eu contava-lhes. Fazia exames todos os dias antes do treino e fiquei fechado um mês dentro da concentração para me recuperar", referiu, em entrevista ao "Lancenet", esta quarta-feira, explicando o porquê de se ter entregue à cocaína.

"Más amizades, fim de um relacionamento, depressão... Fiquei deprimido porque não tinha ninguém a apoiar-me no momento em que precisava".

Mário Jardel assumiu que deu um novo rumo à vida "há dois ou três anos".

"Após aquela entrevista (para a TV Globo, em 2008) sobre o problema, tive uma recaída no ano seguinte e, por isso, resolvi tratar-me. É a primeira vez que falo nisso. Estava parado, aconteceu por fraqueza."

Fonte da Notícia: Record

Nota do webmaster: Muitos falam em máfia e associam à Sícília, haverá máfia mais impune que a máfia de Pinto da Costa?, com apoio de sucessivos governos e ainda condecorado? MAIS UMA VERGONHA NACIONAL.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

PJ investiga transferências do FC Porto para duas contas na Suíça

É o último inquérito-crime do tempo do Apito Dourado. A ida de Ricardo Carvalho e Paulo Ferreira do FC Porto para o Chelsea foi há dez anos mas está ainda a ser investigada. Documento suíço revela 4,5 milhões de euros transferidos pelo clube para duas contas em Zurique.

 Ricardo Carvalho. O jogador foi vendido por 30 milhões ao Chelsea em 2004 e poucos dias depois foram transferidos 1,35 milhões de euros para a Suíça sem que, no entender do Ministério Público, nada o justificasse / Reuters

 
A Polícia Judiciária está a terminar uma investigação sobre suspeitas de crimes de fraude fiscal e abuso de confiança relacionados com a transferência de Paulo Ferreira e Ricardo Carvalho no verão de 2004 do Futebol Clube do Porto para o Chelsea. O inquérito-crime está a ser conduzido pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ e inclui ainda a venda de Giourkas Seitaridis ao Porto pelo clube grego Panathinaikos em setembro desse ano. 

FONTE DA NOTÍCIA : Expresso
 

quinta-feira, 24 de abril de 2014

As mentiras do regime corrupto de Pinto da Costa



"O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais do que isso !" BILL SHANKLY

UMA MENTIRA REPETIDA MUITAS VEZES

Nos últimos tempos tem sido comum encontrar espalhada pela blogosfera uma redonda e persistente mentira, segundo a qual o Benfica seria um clube conotado com o antigo regime ou protegido pelo mesmo.

Em cerca de trinta anos de adepto de futebol nunca tinha ouvido tal coisa, e foi preciso aparecerem uns iluminados, fanatizados e instrumentalizados por um certo poder, para ver lançada no ar essa atoarda, como se se tratasse da mais cristalina das evidências.

A afirmação é tão absurda que não mereceria mais que o silêncio. Mas ainda assim, não gostaria de perder a oportunidade de deixar aqui algumas notas, para que os mais novos não se deixem enganar, e a partir das quais se pode ver o ridículo em que caem aqueles que, por fraqueza de espírito, ingenuidade ou ignorância, se deixam manipular e fanatizar por quem deles se serve e assim perpetua um poder bem mais absoluto do que devia, e para o qual a ética e a justiça estão, não na ponta da espingarda como diria Mao-Tse-Tung, mas sim numa qualquer comemoração triunfante na Alameda das Antas. Vejamos:

1 - Será o menos importante, mas para começar, a cor vermelha diz bastante. Salazar, que nem sequer gostava de futebol, nunca patrocinaria um clube com as cores da sua figadal inimiga União Soviética. A comunicação social até foi forçada a utilizar a palavra “encarnados” para descrever o Benfica, de modo a não conjugar “vermelhos” com “vencedores”, o que poderia ser dramático para o regime. Ao contrário do Real Madrid – que usava cores queridas aos falangistas de Franco -, o Benfica usava as cores da revolta. Diria até que, por exemplo, o azul e o branco ficariam esteticamente bem melhor com toda a simbologia salazarista.

2 - O Estado Novo teve início em 1926 e começou a desintegrar-se em 1961 com as crises estudantis e a guerra colonial. Pois foi precisamente na fase decadente do antigo regime que o Benfica emergiu como força dominante do desporto português.

Nos primeiros vinte e cinco campeonatos nacionais (entre 1934 e 1959, ou seja o período mais relevante do Salazarismo), a lista de vencedores é encabeçada pelo Sporting com 10 títulos, seguindo-se o Benfica com 9, o F.C.Porto com 5 e o Belenenses com 1. O Benfica tinha portanto vencido 36 % dos campeonatos – em 2008 tem 42%...

3 - O 25 de Abril foi, como todos sabem, em 1974. Pois nas três épocas seguintes o Benfica foi tri-campeão !. Nos vinte anos a seguir à revolução o clube da Luz, não parecendo sentir nada o fim da ditadura, venceu 10 campeonatos, 7 taças, e foi a 3 finais europeias. No mesmo período o F.C.Porto conquistou 8 campeonatos, 5 taças e foi a 2 finais europeias. O Sporting venceu 2 campeonatos e 2 taças.

A crise benfiquista, e a consequente hegemonia portista, deu-se apenas devido às sucessivas má gestões de Jorge de Brito (neste caso mais de quem o acompanhava), e sobretudo, Manuel Damásio e Vale e Azevedo que, paralelamente a outros aspectos, abriram campo aos triunfos portistas das últimas decadas.

4 - Por falar em presidentes, o Benfica foi ao longo da sua história, e enquanto durou o regime anterior, quase sempre presidido por ilustres oposicionistas. Félix Bermudes foi perseguido pela PIDE, e no consolado de Tamagnini Barbosa o clube chegou a correr o risco de ser encerrado pelo governo por alegadamente estar tomado por “conspiradores”. Um outro presidente (Júlio Ribeiro da Costa) teve mesmo de se demitir para que o clube não fosse mais penalizado pelo regime, dada a sua forte conotação política com a oposição. O Benfica chegou a ter um presidente operário (Manuel Afonso, também, naturalmente, oposicionista), e foi, de longe, o clube desportivo que mais problemas criou a Salazar, como de resto seria de esperar numa agremiação tão marcadamente popular desde a sua fundação.

5 - Os órgãos sociais do Benfica sempre foram eleitos democraticamente, o que por diversas vezes foi alvo do olhar recriminador da PIDE, que acompanhou os actos eleitorais e assembleias-gerais bem de perto. Durante muitos anos foi o Benfica a única das grandes instituições do país onde o poder era escolhido através de voto livre e democrático. Nem o Jornal do clube escapou à perseguição, sobretudo quando tinha à sua frente José Magalhães Godinho.

6 - Os poderes públicos apoiavam tanto os “encarnados” que em 1956 escolheram o Sporting – por convite - para participar na primeira edição da Taça dos Campeões Europeus, apesar do campeão da época anterior ter sido o Benfica.

7 - O Estádio das Antas, construído com fortíssima ajuda do regime, e financiado por gente a ele ligada, foi inaugurado num dia 28 de Maio, data em que Gomes da Costa havia partido do norte em direcção a Lisboa para instalar a ditadura em Portugal, 26 anos antes. Curiosamente, o Benfica estragou a festa e venceu por…2-8 !!

Pelo contrário, o Estádio da Luz foi construído (muitas vezes literalmente) pelos sócios do Benfica, sem recurso a quaisquer subsídios, e permitiu ao clube acabar com os sucessivos despejos a que foi sujeito e a que foi estoicamente resistindo. Curiosamente, o estádio que o Benfica utilizava antes tinha sido arrendado pelo Sporting (clube da aristocracia lisboeta), que então lhe chamava Estádio 28 de Maio. O Benfica não só fez questão de o inaugurar num dia 5 de Outubro, como lhe mudou o nome, designando-o apenas por “Campo Grande”.

8 - No início dos anos quarenta, época dourada de Salazar, o F.C.Porto beneficiou da ajuda dos seus influentes homens do poder para, através de dois cirúrgicos alargamentos, evitar cair para a segunda divisão, após se ter classificado em terceiro lugar no seu campeonato regional, que na altura apurava as equipas (os dois primeiros) para a prova nacional. Mal se sabia que, décadas e décadas depois, seria novamente a sua influência a evitar a descida, agora por motivos bem diferentes, e bem mais nebulosos.



9 - Como referiu Manuel Alegre – insuspeito de salazarismo – os relatos dos jogos do Benfica, e as suas vitórias, eram motivo de grande regozijo entre os exilados políticos. O Benfica era mesmo, para alguns deles, o único motivo de orgulho no seu país.

10 - O Benfica foi campeão europeu com jogadores que faziam parte dos movimentos de libertação das colónias, como Santana e Coluna. Obviamente que Salazar não teve alternativa senão engolir o sapo e colar-se ao êxito do clube, aproveitando-se dele para efeitos políticos.

11 - Nas comemorações da vitória aliada na segunda guerra mundial, toleradas por Salazar apenas por receio de represálias dos vencedores – sobretudo a tradicional aliada Inglaterra – viram-se nas ruas bandeiras de França, dos Estados Unidos, de Inglaterra e…do Benfica, estas naturalmente substituindo as da URSS, e utilizadas por oposicionistas comunistas.

12 – O hino do Benfica (“Ser Benfiquista”) cantado por Luís Piçarra não é o original do clube. O primeiro hino, composto por Félix Bermudes, chamava-se “Avante Benfica” e foi silenciado pelo regime.

13 – O Estádio da Luz passou 17 anos, desde a sua fundação, sem ser utilizado pela selecção nacional. Só já nos anos setenta se disputou o primeiro jogo de Portugal num estádio benfiquista. Nunca se jogou a final da taça na Luz ou em qualquer outro estádio utilizado pelo Benfica, ao contrário do que aconteceu nas Antas, onde o F.C.Porto disputou (em casa) nada menos que três finais, antes e depois do 25 de Abril.

14 - O primeiro grande escândalo de arbitragem na história do futebol português valeu um título ao F.C.Porto. Estávamos em 1939, no auge da ditadura salazarista, e no jogo decisivo os “vermelhos” viram um golo anulado nos últimos instantes, que valeria a vitória e o título. Também a história Calabote (que foi irradiado) está mal contada – e em breve poderei falar dela -, e de resto redundou num outro título para o F.C.Porto, que aliás já na altura demonstrava uma propensão enorme para se envolver em questões desta natureza.

15 – Ao longo dos anos do regime ditatorial, as situações em que os poderes públicos e federativos prejudicaram o Benfica administrativamente sucederam-se. Uma das mais conhecidas foi a não autorização para adiar o jogo da Taça de Portugal frente ao V.Setúbal, marcado para o dia seguinte à final de Amsterdão em 1962. Mas houve outras, como a marcação da repetição de um jogo para três dias antes da tal jornada de Calabote, obrigando o Benfica a um desgaste adicional que lhe poderá ter custado o título.

16 – Nunca em tempo algum o Benfica teve um seu sócio, ou mesmo adepto, como presidente de organismos ligados à arbitragem do futebol. O F.C.Porto é o que se sabe, e o Sporting também não se pode queixar pois tem agora lá um “emblema de ouro”.

17 - O Benfica conquistou mais títulos nacionais nas modalidades extra-futebol em democracia (57), do que em ditadura (44). Ao contrário, por exemplo, do F.C.Porto, que à excepção do caso específico do hóquei em patins, tem mais títulos antes da revolução de Abril do que depois (25 antes -19 depois).

18 - O Benfica tem entre os seus adeptos gente de todos os estratos sociais e sectores políticos. Mas convenhamos que Álvaro Cunhal, José Saramago, Xanana Gusmão, António Guterres, Jerónimo de Sousa, António Vitorino de Almeida, Artur Semedo, Manuel Alegre, Miguel Portas e muitas outras figuras da esquerda portuguesa, simpatize-se mais ou menos com elas, nunca seriam seguramente adeptos de um clube de algum modo relacionado com o regime fascista.

19 – É curioso que o Benfica, tendo adeptos espalhados pelo país e pelo mundo, tem maior expressividade precisamente nas zonas mais conhecidas pelo seu combate ao fascismo, ou seja Alentejo – onde a percentagem de benfiquistas é absolutamente esmagadora - e cintura industrial de Lisboa, nomeadamente a margem sul do Tejo. Pelo contrário, o F.C.Porto tem a grande maioria dos seus adeptos concentrados na região norte, pouco conhecida pelo combate democrático – pode ser injusto para muitos dizê-lo, mas a verdade é que a maioria dos agentes da PIDE eram nortenhos, e a maioria dos detidos eram provenientes justamente das zonas onde existe maior expressão do benfiquismo.

Nos anos quentes da reforma agrária, no pós-revolução, sei de pessoal das UCP’s alentejanas que se organizava em excursões para os jogos internacionais do Benfica.
20 – Seria interessante também fazer a contabilidade dos adeptos e sócios do Benfica nas ex-colónias. Como seria possível haver tantos benfiquistas, por exemplo, em Angola e Moçambique, se o clube tivesse alguma conotação com o regime que durante anos lhes negou a independência e lhes deu a guerra ?

FONTE DA NOTÍCIA: Vedeta da Bola


domingo, 30 de março de 2014

Costinha relata episódios de terrorismo sobre profissionais do FCP

Em entrevista a Alexandra Tavares Teles, Costinha fala dos motivos da saída de Derlei do FC Porto. Fala do presidente dos Super Dragões. Assume que foi ameaçado. Relata episódios de terrorismo sobre profissionais do FCP. Uma vez mais, a entrevista não mereceu o devido destaque.
ATT - Derlei foi dispensado por vontade de Fernández ?
Costinha - Isso é mais complicado. Para perceber a saída de Derlei é preciso encontrar quem está por... detrás dela. Não admito que um grupo de adeptos venha criticar e enxovalhar, com faixas provocatórias, um atleta que deu ao clube aquilo que Derlei deu. E mais espantados ficámos quando ninguém do FC Porto tomou uma atitude. Pelo contrário. Essa gente, depois de insultar os jogadores, entravam nas instalações do clube com um livre-trânsito e ninguém fazia qualquer reparo. E mais: de dia ameaçavam os jogadores e á noite jantavam com dirigentes do FC Porto. Que pensa um grupo quando sabe que quem os insultam e ameaçam janta com dirigentes do clube ?
ATT - Conhece o presidente dos Super Dragões ?
Costinha - De vista. Ele diz-se profissional de claque e, pelo que aparenta, tem uma profissão rentável. Muitos jogadores do FC Porto não ganham para comprar Porches e ele tem um.
ATT - Acha que as claques serviram para branquear as decisões da direcção que falharam ?
Costinha - Não sei. Sei que tenho no meu corpo marcas que provam o que dei ao clube. Joguei lesionado e joguei infiltrado, fi-lo porque quis e por dedicação. Ganhei tudo o que havia para ganhar. E ainda andam a correr atrás de mim para me fazer a vida negra?! E os responsáveis, os directores não fazem nada ?
ATT - Foi ameaçado?
Costinha - Sim, mas como tenho um grande amigo na cidade do Porto o caso teve um fim pacífico.
ATT - Qual foi a situação mais complicada ?
Costinha - Quando o FC Porto empatou na Madeira com o Nacional, os desacatos começaram logo no aeroporto do Funchal. As claques provocaram com insultos todos os jogadores, sobretudo o Raul Meireles, que tivera o azar de fazer um autogolo. Foi mesmo agredido fisicamente, com uma garrafa. Eu estava no Porto, a recuperar de um traumatismo craniano, mas soube o que se estava a passar porque telefonei a vários colegas, por solidariedade. E perante o que ouvi decidi ir ao aeroporto do Porto esperar a equipa. Levei dois amigos, para não levar dois guarda-costas, e tive razão, porque quando lá cheguei vi um bando de 60 ou 70 Super Dragões. Os jogadores foram os primeiros a sair do avião e a levar com aquela gente toda, com insultos, com agressões, enquanto os dirigentes ficaram dentro do avião, protegidos. Apenas Reinaldo Teles saiu. E a verdade é que aquela gente agrediu atletas. Na época passada, tudo foi permitido no FC Porto.