Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de abril, 2018

Denúncia acusa FC Porto de tentar corromper guarda-redes do Marítimo

Foi apresentada na passada quarta-feira, na página da Procuradoria Geral da República, Departamento Central de Investigação e Acção Penal, uma denúncia anónima, com o n.º 870/18, acusando o FC Porto de tentar corromper Amir Abed Zadeh, guarda-redes do Marítimo. Na denúncia, a que A BOLA teve acesso e em baixo transcreve, é igualmente referido um alegado contacto do FC Porto com o Marítimo para o acerto de uma dívida relacionada com Marega. «Na semana passada o guarda-redes do Marítimo Amir Abed Zadeh foi abordado para receber 200.000 para facilitar contra o FC Porto. Premptoriamente o guarda-redes disse que não! O guarda-redes não aceitou e neste momento o FC Porto, por intermédio de influências de terceiros, pressiona para que seja o Charles a jogar. Charles é um guarda-redes referenciado por Nuno Correia, um agente conhecido de Matosinhos e amigo pessoal de Pedro Pinho, que mantém relações privilegiadas com o FC Porto e a sua estrutura. Numa altura em que é conhecida a

DENUNCIA SOBRE A ESTRUTURA MONTADA PELO FCP QUE ENVOLVE MAGISTRADOS E QUADROS DA POLICIA JUDICIÁRIA

(Retirado do Blogue Geração Benfica ) DENUNCIA SOBRE A ESTRUTURA MONTADA PELO FCP QUE ENVOLVE MAGISTRADOS E QUADROS DA POLICIA JUDICIÁRIA “Exmo senhores, O que vimos denunciar é de enorme gravidade. E fazemo-la de forma anónima, em defesa da nossa integridade física e por receio de represálias, tendo em conta o nível de ligações, inclusive ao setor da Justiça e da própria Policia Judiciária na estrutura informal criada. A ESTRUTURA Desde de Abril de 2017 que um grupo restrito de responsáveis do Futebol Clube do Porto se reúne semanalmente numa sala do Hotel AC Hotel Porto Marriot, em prol da concretização de um plano que visava destruir a hegemonia do SLB e criar uma rede que desse corpo a essa estratégia na justiça, nas forças policiais e nos media. O surgimento desse projeto surgiu quando foi concretizada a possível compra da correspondência privada do SLB, os famosos emails, que foram entregues em três momentos distintos. Denunciamos que dessa estrutura base

Mafiosos com colaboração da polícia, juízes e comunicação social